14/04/2015

Prefiro declinar qualquer sorte.




Tudo é tão surreal!

Mas como se minha vida não fosse, né?
E me vejo fazendo o que não quero a esta hora.
E tudo por quê? 
Por minha vaidade? 
Desalinhada alma.
Por este fardo veloz e sua capacidade de se estender no tempo?
Talvez seja melhor nada ter e voltar ao chão de outrora.
Proteger da sorte desalinhada que vem presa à alma.
Sorrateiro e me vejo sempre a lutar.
Senhor, por quê tanta vaidade?
Era realmente isso?
Faltam corações sinceros.
E os olhos nos olhos?
Eu mesma, nada sou.
Prefiro declinar qualquer sorte.
Volto ao chão, labirinto da minha fome e sede da minha miséria.
Peço piedade.


À gratidão, virtude de quem é.

Nenhum comentário: