03/10/2015

A Deus, minha gratidão.

Sinto-me feliz por ser um resumo de miséria. Esta me aproxima de Deus.
Gosto de dormir no pó do chão raso.
Fiquei afastada dado o número de pecados de minha carne faminta.
Sim, eu sei que não sou nada.
Mas sinto no fundo da alma, que sou sobrevivente.
Eu fui muito torturada.
E essa tortura chegou a ser desumana.
Eu nem sei como estou viva.
Sim, milagre redentor.
Jamais rezarei alguém em toda minha existência!
Ainda guardo a dor de não querer lembrar deste vilipêndio.
Talvez me sinta, hoje, mais próxima de Deus, porque minha miséria é presente.
E a falta de virtude sopra a alma.
Nada sou.
Um vento.
Também não me importo em ser algo.
Já tenho a idade do meu pai morto.
Já perdi muito na vida.
O Tempo fecundou sem mim. Agradeço.
Seria uma péssima mãe, trago um jugo espiritual.
Sofreria se minha filha fosse sensitiva.
A Deus minha sincera gratidão. Mari.

Nenhum comentário: