03/05/2014

Os desertos.

  “Mas o Senhor me disse: Não digas: eu sou  uma criança, porque aonde quer que eu te enviar, irás e tudo quanto te mandar dirás. Nao temas diante deles, porque eu sou contigo para te livrar, diz o Senhor.”(Jeremias 1, 7).

Desertos são certas passagens.
Alguns, uma dor, outros uma doença, para outros provação.
Mas existem os desertos que você é obrigado a entrar.
São as portas erradas do uso do livre arbítrio?
Ou quiçá Deus te preparando para encontrar o que se deve.
Pois assim é: é um lugar seco, de fato, você se engana deveras.
Encontra alguns tipos de bichos, feras bravas.
Alguns Monges do deserto viveram isso(Santo Antão, Santa Egípcia, São João da Cruz, Teresa D'avilla, Padre Pio, São Francisco de Assis, Santa Rita de Cássia, Consolata Betrone).
Vale estudar!
E travam-se lutas. Uma hora você cai, literalmente, num buraco.
Em outro momento, você chega a tomar um veneno, mas nada acontece, porque DEUS lhe dá o sustento.
E assim, você se vê com seus pensamentos completamente voltados para sair de lá.
Tudo é rápido, você passa a pensar muito, porque é questão de sobrevivência.
E é árido mesmo, para você aprender a ser alguma coisa melhor.
E neste lugar, você passa por diversos tipos de ilusões, você acredita, que vê água.
E após você sair de um buraco, você cai em outros, mudam as atuações.
Noites escuras tornam-se claras e a claridade escuridão.
Seus dons mais genuínos são aperfeiçoados.
Outros lhe são dados, outros retirados.
Por fim, por alguns anos, você encontra o labirinto.
E este será o lugar do livramento.
Como todo labirinto, você precisa pensar para qual lado ir, marcar seu caminho.
Você se torna obrigado a conhecer tudo que te cerca.
E de repente, um dia, no dia que Deus quiser, no tempo dele, um cetro lhe pode ser dado.
Continuo imperfeita, errante. Não sou uma religiosa porque trago minhas impurezas.
E nem tão boa humana, nem boazinha.
Recebi o meu de presente por dádiva.
Trago em mim uma justiça sobrenatural, de fato.
O bastão do combate sempre será o escudo  de DEUS em face do mal.

Nenhum comentário: