29/05/2011

Sou grata na medida do coração, nas firmezas do espírito, nas muitas quedas de alma.


Amanhã faço 38 anos...
Aprendi que devemos contar nossa vida de acordo com as estrelas do céu.
Sempre pensei assim....em seguir.
Quando faltava um tempo, encontrava tempo no tempo.
Para realizar o que sonhava.
  O que o tempo ceifava, apenas recolhia.
Mas o amanhã é tão incerto, tudo é tão pequeno diante da grandeza do universo.
Sim....ainda lembro quando tinha 15 anos e queria ter 18 anos...e imaginava o ano de 2000.
Hoje, o ano de 2000 ficou para trás, porque vivemos as frações de milésimos de segundos.
Cada vez mais fracionárias se alinharmos a vida às dimensões vividas.
Entoadas, sentidas.
Sim, outro dia, dei-me conta que o que, realmente quero, é comer, rezar e amar!
Essas três palavras me descrevem muito bem, intensamente!
Quero viver a vida vivida, colhida, plantada, feliz.
Nada tenho de santidade, a única coisa que tenho, neste canto, foi uma tentativa de amor.
Deus tem seus mistérios.
Talvez tenha sido isso, talvez tenha ido aos desertos, aprendido a ser forte e fraca, para plantar uma raiz viva e quiçá, um dia, reunir o fruto do amor.
Sim, eu quero plantar amor e nenhuma semente diferente desta essência.
Perderia meu ideal: a paz!
Olhando para trás, eu tenho razões de ser grata.
Sou grata na medida do coração, nas firmezas do espírito, nas muitas quedas de alma.
Porque fizeram de mim quem sou: sempre, apenas eu mesma.
Com sonhos.
Triste a alma que passa a vida sem sonhar.
Sim, terei uma filhinha linda...adotarei, se puder, terei um gatinho, adotarei se puder!
E, sim, eu serei feliz.
Terei o necessário para viver a vida feliz. Se Deus quiser...e tomara, que ele queira! :))
Mas tudo bem, se não quiser, continuo batendo na porta do coração dele até entrar.

03/05/2011

A aparente perfeição da obra!


Se olhar para os seus frutos colhidos, certamente, para muitos, o que importará será a forma material.
A limpeza ou aparente perfeição da obra.
Mas para além disso, se conseguir observar, profundamente, há no fruto do terreno, um ser vivo.
E isso é importante, o que, verdadeiramente, traz sentido à vida.
Devemos selar nossa humanidade nesta existência.
                   

Com gratidão. Mari